Voltar

Nova Petrópolis – Um bairro planejado

Nova Petrópolis – Um bairro planejado

01 de Abr de 2015 Seção de Pesquisa e Documentação
Antigos proprietários do local, que antes era um sítio, tinham um ambicioso plano de loteamento

A região do atual Bairro Nova Petrópolis, na década de 1920, era um sítio de propriedade de Benedito Cesário do Nascimento. Nesta época, foi adquirido pelos irmãos Pujol, que tinham um ambicioso plano de loteamento: Cidade-Jardim Vila Nova Petrópolis. O nome escolhido foi inspirado na cidade de Petrópolis, localizada na região serrana do Rio de Janeiro, que foi fundada por Dom Pedro II, em 1857.

Foi instalado um bondinho ligando São Bernardo à estação de Santo André que facilitaria o acesso ao loteamento de quem vinha da capital. O ponto final era próximo à atual Praça Lauro Gomes; o plano previa, também, a construção de um ramal que sairia da Praça Santa Filomena (onde fora construído um chafariz) e iria até o final do loteamento.

Os planos não foram muito bem sucedidos e o empreendimento passou para as mãos de Wallace Simonsen em 1930. O bonde deixou de funcionar e os trilhos foram retirados para a pavimentação da Rua Marechal Deodoro. Apenas no final da década de 1940 foi reiniciada a venda de imóveis. As ruas foram melhoradas e foi instalada a primeira rede de água da cidade, abastecida pelo reservatório existente na época na Chácara Silvestre.

Em 1955, a Lei Municipal 437 permitiu que a municipalidade recebesse as vias e os espaços públicos do empreendimento, ao mesmo tempo em que oficializava a denominação de várias ruas com os nomes constantes na planta do loteamento que homenageavam membros da família imperial brasileira. Duas vias foram denominadas avenidas: Imperador Dom Pedro II (1825-1891) e Imperatriz Leopoldina (1797-1826), homenageando o segundo imperador do Brasil e sua mãe, respectivamente.

Outras cinco vias foram denominadas alamedas: Dom Pedro de Alcântara (1875-1940, filho da Princesa Isabel e príncipe imperial do Brasil), Dona Tereza Cristina (1822-1889, esposa de Dom Pedro II), Princesa Isabel (1846-1921, filha de Dom Pedro II e regente do império em três ocasiões), Princesa Januária (1822-1901, filha de Dom Pedro I) e Dom Pedro I (1798-1834); a Alameda Dom Pedro I teve seu nome alterado, em 1960, para Avenida Wallace Simonsen.

Outros membros da família real foram homenageados com nomes de ruas: Princesa Antônia (1845-1913, filha de Dona Maria II de Portugal e neta de Dom Pedro I), Princesa Francisca Carolina (1824-1898, filha de Dom Pedro I), Princesa Maria Amélia (1831-1853, filha de Dom Pedro I), Princesa Maria da Glória (1819-1853, filha de Dom Pedro I e rainha de Portugal entre 1834 e 1851, com o nome de Maria II) e Conde d’Eu (1842-1922 príncipe consorte, esposo da Princesa Isabel).

Algumas outras ruas do bairro também homenageavam nomes da família imperial brasileira, mas só foram oficializadas em 1984: Rua do Imperador, Rua da Imperatriz, Dom Luiz (1878-1920, filho da Princesa Isabel e neto de Dom Pedro II), Dom Miguel (1820, filho de Dom Pedro I, que faleceu antes de completar um ano) e Dom Paulo Mariano. Como não há registro de nenhum Paulo Mariano na família imperial, provavelmente houve uma confusão com o nome de Dona Paula Mariana (1823-1833), filha de Dom Pedro I, quando foi elaborada a planta do loteamento.

 

Legenda das fotos:

Foto 1 – Trilhos do Bonde dos Pujol, que ligava São Bernardo à estação de trem, em Santo André, década de 1920. Acervo: Seção de Pesquisa e Documentação

 

Foto 2 – Passageiros do bonde, 1924. Acervo: Seção de Pesquisa e Documentação

 

Foto 3 – Loteamento de Cidade Jardim Vila Nova Petrópolis; ao fundo se vê as letras de madeira que anunciavam o loteamento. 1940. Acervo: Seção de Pesquisa e Documentação

 

Foto 4 – Planta do empreendimento, com o traçado projetado da extensão da linha do bonde. Sem data. Acervo: Seção de Pesquisa e Documentação