O espaço idealizado em 1964, inicialmente chamado simplesmente de anfiteatro do Paço Municipal, com capacidade para cerca de 500 pessoas, inserido dentro do projeto arquitetônico do prédio do paço da cidade, elaborado pelo arquiteto Jorge Bonfim e sua equipe. Em 19 de outubro de 1968, meses antes da administração municipal se transferir, ele foi inaugurado, abrigando o 6º Festival de Teatro Amador de São Paulo, evento realizado durante doze dias, promovido pela prefeitura e pelo governo estadual, organizado na cidade por Antonino Assumpção, ator e diretor do Grupo Cênico Regina Pacis. Do festival participaram dez grupos teatrais, oriundos de diversos municípios. Na cerimônia de abertura, a presença ilustre de Cacilda Becker, sem saber que pouco tempo depois daria seu nome àquele espaço: a denominação do anfiteatro ocorreu logo após o falecimento precoce da atriz – ocorrido há 50 anos, em 14 de junho de 1969 – quando o poder público municipal a homenageou por meio do Decreto nº 2.070 de 14 de agosto daquele ano.

Abrigando nos primeiros tempos principalmente eventos como cerimônias cívicas, palestras e cursos, o Cacilda Becker passou a ter uma programação artística mais constante a partir de 1974, ano em que ele teve seu uso regulamentado por decreto. A partir daí ali ocorreriam importantes apresentações em variadas linguagens artísticas, tais como o Festival América Latina Canta (1976), seu primeiro grande evento com atrações internacionais (contou com a participação de músicos da Argentina, Chile, Bolívia e Uruguai); o lançamento nacional do premiado filme Bye Bye Brasil (1980), de Cacá Diegues; o projeto Pixinguinha (1981), parceria com a Funarte em que participaram nomes da música brasileira de diversas regiões; além, é claro, de espetáculos teatrais de grupos, consagrados ou iniciantes, da cidade e de fora dela.

Em 1982, após sofrer modificações internas, ele deixaria de ser categorizado como anfiteatro, sendo por isso redenominado como “Teatro Cacilda Becker” (Decreto nº 7.110/82). Ao longo do tempo muitas reformas nele ocorreriam em virtude das frequentes enchentes na região do paço.

 

 Capacidade: 394 lugares.

 


Informações:

Praça Samuel Sabatini – Paço Municipal