São Bernardo do Campo possui uma infinidade de atrativos naturais e listamos mais alguns deles aqui para você conferir!

 

Parque Natural Municipal Estoril


O parque possui uma área de aproximadamente 373 mil m², sendo que a maior parte é coberta por vegetação nativa, servindo de abrigo para inúmeras espécies da flora e da fauna do bioma Mata Atlântica. No parque, que em 2013 se tornou a primeira Unidade de Conservação do município, são desenvolvidas atividades de educação ambiental, recreação e turismo ecológico. Além disso, o parque conta com diversos atrativos, com destaque para o teleférico e o Zoológico Municipal (especializado na fauna da Mata Atlântica). Localizado às margens do Reservatório Billings, a cerca de 2km da Rodovia Anchieta, o parque ainda oferece opções de atividades aquáticas, com aluguel de pranchas de stand up paddle e caiaques. Também é possível locar pedalinhos para passeios na represa. A infraestrutura local conta com quiosques que oferecem lanches e refeições, vestiários, sanitários, redário, academia da terceira idade e exposição de arte permanente. Para mais informações acesse: Parque Estoril

 

 

 

Zoológico Municipal


Localizado no Parque Natural Municipal Estoril, mantém em exposição cerca de 250 animais de 70 espécies da Mata Atlântica, como anta, tamanduá mirim, papagaio de peito roxo, tucano de bico verde, jacaré de papo amarelo, jiboia e jaboti, e espécies ameaçadas de extinção como a jaguatirica, eleita mascote do parque, e o tamanduá bandeira. Os zoológicos têm um papel importante na conservação das espécies através da reprodução, da educação ambiental e do atendimento à fauna nativa.

 

 

 

Parque Ecológico Imigrantes


Com área de 484.000 m² de mata preservada, o parque foi criado para promover a preservação do meio ambiente através da contemplação da Mata Atlântica e o estudo desse ecossistema. Os visitantes têm a oportunidade de compreender, através de atividades de educação ambiental, as relações do homem com a natureza. O parque é completamente adaptado para recepcionar visitantes de baixa mobilidade. De propriedade privada, o Parque Ecológico Imigrantes é gerido pela Fundação Kunito Miyasaka. Para mais informações e agendamento da sua visita ou de seu grupo, acesse o site do parque. http://www.parqueecologicoimigrantes.org.br/

 

 

 

 

Rodovia Caminhos do Mar


A Rodovia Caminhos do Mar leva à entrada do Núcleo Itutinga-Pilões do Parque Estadual da Serra do Mar (PESM) e também é conhecida como Rota do Peixe. Longa extensão da rodovia está dentro da área do PESM e é cercada pela exuberância da Mata Atlântica e do Reservatório Billings, compondo belíssimas paisagens. Oferece diversos serviços que vão de clubes de campo a restaurantes e locais para prática de esportes como Stand Up Paddle, caiaque, cavalgada, etc. Na estrada, você encontra diversos locais para estacionamento, lanches rápidos, petiscos e refeições completas. Além disso, há espaços para prática de pesca tanto na represa quanto em pesqueiros, e você pode aproveitar para levar a família, pois sempre há atividades, ciclistas e corredores treinando neste trecho da rodovia.

 

 
 

Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo Itutinga-Pilões


O Parque Estadual Serra do Mar é a maior Unidade de Conservação de toda a Mata Atlântica, com 332 mil hectares que se destinam à preservação dos recursos naturais.

Possui enorme diversidade de fauna e flora sob Proteção Integral, além de variados monumentos de importância histórica que remontam à colonização do Brasil. O PESM protege toda a região de escarpas da Serra do Mar, se estendendo até o litoral paulista, é fundamental para preservação da Mata Atlântica, manutenção do clima e estabilização de encostas no Estado de São Paulo. Integra o Cinturão Verde da Região Metropolitana. As atividades no parque acontecem mediante agendamento. É possível fazer uma caminhada entre São Bernardo do Campo e Cubatão, quando os monumentos podem ser visitados e eventualmente se pode avistar o mar. A entrada fica na Rodovia Caminhos do Mar e informações sobre visitas podem ser obtidas através dos contatos Tel.: (13) 3361-8250 e pesm.itutingapiloes@fflorestal.sp.gov.br. Você também pode obter mais informações no site: http://www.parqueestadualserradomar.sp.gov.br/pesm/nucleos/itutinga-piloes/

 

 

Sangradouro do Perequê e Represa Billings


Algumas das nascentes do Rio Perequê foram submersas com o alagamento da Represa Billings. O Perequê é afluente do Rio Cubatão e corre em direção ao litoral, pelas encostas da Serra do Mar. O Sangradouro é uma pequena barragem de controle da represa. A construção tem mais de meio século. A Billings começou a ser construída em 1925 e foi inundada em 1927 para gerar energia elétrica para as indústrias de Cubatão, por meio da Usina Henry Borden. Desde 1958, é utilizada para abastecimento de água; e desde os anos 1970, é protegida pela lei de mananciais. Nos anos 1980, as águas do reservatório foram separadas e a captação da água passou a ocorrer no braço do Rio Grande, que pode ser avistado no Caminho do Sal. Seu nome é uma homenagem ao engenheiro estadunidense responsável pelo projeto: Asa White Kenney Billings. Billings era funcionário da empresa Light, antiga Eletropaulo. O projeto é tão complexo, que foi necessário escavar um túnel na Serra do Mar, para movimentar as turbinas da usina. O Sangradouro fica na Estrada Mogi das Cruzes, na Rota Caminho do Sal, e pode ser avistado a qualquer momento do dia. A visitação ao edifício não é aberta, visto que o espaço serve de moradia a funcionários da EMAE, responsáveis pela manutenção e guarda local.

 

 

Reservatório Billings


O Reservatório Billings foi criado com o objetivo de gerar energia para abastecer o Pólo Industrial de Cubatão por meio da Usina Henry Borden. Começou a ser construído em 1925 e foi inundado em 1927. Com seu alagamento, as conexões por estradas de terra foram isoladas, surgiram novas estradas e foi implantado o sistema de balsas por cabo, que funciona até os dias atuais.

No final da década de 1950, as águas do reservatório passaram a ser utilizadas para abastecimento público. Nos anos 1970, a bacia hidrográfica do reservatório foi incluída na legislação de proteção de mananciais, de modo que a expansão da ocupação urbana passou a ser mais controlada na região. E nos anos 1980, uma nova barragem foi construída para separar as águas destinadas ao abastecimento, na região do Riacho Grande.

O nome do reservatório se deve ao engenheiro estadunidense responsável pelo projeto e barramento do Rio Grande - Jurubatuba: Asa White Kenney Billings. Billings era funcionário da empresa Light (The São Paulo Tramway, Light and Power Company, Limited). O projeto era tão desafiador, que para sua implementação foi necessário escavar um túnel na Serra do Mar, para movimentar as turbinas da usina em Cubatão. A água do Reservatório Billings é lançada pelo Summit Canal no Reservatório Rio das Pedras, de onde desce a serra para a geração de energia. O sistema, está interligado com o Rio Pinheiros, que durante muitos anos teve seu curso invertido afim de lançar águas na represa e assim, gerar mais energia. A reversão das águas do Rio Pinheiros deixou de ser rotina em função do lançamento de efluentes que provém da expansão urbana nas margens da represa, sobretudo nos municípios de São Paulo e Diadema.

É importante salientar que, excetuando-se as áreas apropriadas e infra estruturadas para o nado, o banho nas águas da represa pode ser perigoso e deve ser evitado, uma vez que no fundo do reservatório podem ser encontrados muitos galhos e troncos, que ainda resistem com o passar dos anos.

Mais da metade do território do município está inserido na Área de Proteção e Recuperação dos Mananciais da Billings. Em muitos trechos a represa ainda é cercada por fragmentos da Mata Atlântica, o que a torna um atrativo para o turismo de natureza e o ecoturismo. Além disso, oferece espaços para lazer, contemplação e prática de esportes náuticos.

 

 

Pico do Bonilha


A história de São Bernardo do Campo está fortemente relacionada ao Pico do Bonilha.

O maciço do Bonilha caracterizou-se, desde os primórdios, como ponto de passagem entre o litoral e São Paulo. O destaque ficava por conta de sua altitude (985 metros), propiciando boa visão do entorno e orientação para os caminhos. Nessa época o pico era conhecido como Pico Alto ou Morro Grande.

Seu nome é uma homenagem ao Alferes Francisco Martins Bonilha tornou-se pessoa influente na Freguesia de São Bernardo do Campo pertencente à Vila de São Paulo de Piratininga. Foi Juiz de Paz e Deputado Provincial. No século XX, vários lotes possuíam trechos cobertos por matas com grande ocorrência de palmito e madeiras de lei que foram desmatadas para exploração de madeira.

Apesar do desmatamento, a cidade demorou a chegar ao Bonilha. As distâncias que o separavam da sede do município, associado ao relevo acidentado, criaram condições favoráveis para uma ocupação de menor intensidade.

O local abriga nascentes de córregos da cidade, como o córrego Saracantam, que depois deságua no Ribeirão dos Meninos. De seu cume é possível ter uma vista panorâmica da represa Billings e do centro da cidade.

A Entrada deve ser verificada com a empresa Emparsanco: 4127-4019

 

 

Parque Águas da Billings

 

Resultado da Compensação Ambiental das Obras do Rodoanel Mário Covas, o Parque Estadual Águas da Billings, criado em 29 de março de 2018, é um importante remanescente de Mata Atlântica em bom estado de conservação, além disso possui grande relevância para a proteção das áreas de mananciais da Região Metropolitana de São Paulo, locais considerados prioritários para a produção e abastecimento de água potável para uma parcela considerável da população.

A Unidade de Conservação possui 187 hectares e abriga diversas espécies nativas e algumas ameaçadas de extinção como a águia-pescadora (Pandion haliaetus), gavião-pega-macaco (Spizaetus tyrannus), papagaio-da-cara-roxa (Amazona brasiliensis), veado-catingueiro (Mazama gouazoubira), jaguatirica (Leopardus pardalis), e outros.

Um dos objetivos primordiais do Parque Estadual Águas da Billings é o fomento e produção de projetos socioambientais e ações de educação ambiental que visem o desenvolvimento das comunidades do entorno imediato da UC, principalmente com estreitamento das relações com as instituições de ensino da região.

O Parque fica no bairro Areião – Estrada da Pedra Branca, s/n, São Bernardo do Campo.
Aberto diariamente das 7:00 às 17:00h – Visitação Gratuita
Contato para dúvidas: (11) 2997-5000 (ramal 312)

Para mais informações clique aqui